A Fundação Mercedes de Andrade Martins, a Fada, utiliza em sua metodologia de trabalho o que há de mais eficaz no tratamento de pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Temos como referência a Análise Aplicada do Comportamento (ABA), que é uma ciência que visa melhorar a qualidade de vida ensinado comportamentos mais adaptativos e diminuindo comportamentos disruptivos e inadequados. É ela também que nos dá parâmetro para montarmos procedimentos e manejos mais adequados em nossa intervenção diária, além de dar suporte para aplicarmos com mais eficiência os métodos utilizados na Fundação.

Em relação as habilidades de autonomia, temos como foco o Currículo Funcional Natural (CFN), o qual nos permite ter uma visão diferenciada nas de Atividade de Vida Diária (AVDs) e nas Atividades de Vida Prática (AVPs), que são pontos centrais no currículo pré-estabelecido para os atendidos dentro da instituição.

A Fada também se beneficia com a utilização do método de Tratamento e Educação de Crianças Autistas e com Desvantagens na Comunicação (TEACCH), que nos ajuda na estruturação e organização das salas, além de nos amparar em relação a confecção de materiais pedagógicos e de pistas visuais na aplicação de atividades de sala, visando a maior autonomia de nossos atendidos. É importante mencionar que esse modelo tem como princípios que o ambiente organizado, o ensino estruturado e a previsibilidade favorecem o aprendizado e o desenvolvimento de pessoas com TEA.

Como é sabido, as pessoas com TEA apresentam uma dificuldade na comunicação (expressiva e/ou receptiva), podendo se comunicar bem em algumas situações e/ou até, ter a ausência da fala, dificultando para fazer solicitações simples ou identificando as nossas solicitações, a depender do grau e de seu comprometimento em determinadas áreas. Desta forma, utilizamos o Programa de Comunicação por Troca de Figuras (PECS), para dar suporte na comunicação de nossos alunos, fazendo uso de forma alternativa ou aumentativa de acordo com a avaliação realizada individualmente.

Em relação ao planejamento de atividades e habilidades a serem desenvolvidas de cada aluno, utilizamos o protocolo de Avaliação de Linguagem Básica e Habilidades de Aprendizado (ABLLS) que nos dá parâmetro das necessidades a serem desenvolvidas e assim programarmos a melhor intervenção para cada um. A avaliação é realizada a cada seis meses ou a depender da necessidade apresentada. Além disso, os pais são peças fundamentais na criação do currículo para os próprios filhos, ajudando a elencar comportamentos alvos e habilidades a serem desenvolvidas para melhorar o bem estar, a qualidade de vida e autonomia no dia a dia.

Todo o processo de trabalho desenvolvido é acompanhado por supervisores capacitados e por uma equipe técnica especializada.